Artigos

Endometriose afeta seis milhões de brasileiras e ainda não tem tratamento definitivo

 

Doença é poligênica e casos na família são fatores de risco, sendo mais perceptível aos 30 anos de idade

 

Mais de seis milhões de brasileiras, entre 13 e 45 anos, têm endometriose, conforme a Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva. A doença afeta de 10% a 15% das mulheres e é caracterizada pela presença externa do endométrio, tecido que reveste a parede interior do útero, em outros órgãos da pelve, como trompas, ovários, intestinos e bexiga. Mais da metade dos casos são desenvolvidos por fatores hereditários, sendo que vários genes podem estar alterados, por isso a doença é considerada poligênica. A presença de casos na família é um fator de risco para o desenvolvimento da doença. Entre 5% e 16% das mulheres férteis não desenvolvem os sintomas, mas podem apresentar lesões de endometriose mínima ou leve. Nos outros casos, as mulheres podem sofrer dores incapacitantes.

O ginecologista e diretor financeiro da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (Sogimig), Délzio Bicalho, explica que a endometriose não tem cura e, sim, tratamentos paliativos. A doença pode surgir desde a primeira até a última menstruação, ou seja, durante a fase reprodutiva, mas com um pico por volta dos 30 anos de idade. As cólicas menstruais, dor pré-menstrual e durante as relações sexuais, sangramento menstrual intenso ou irregular, alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação e até dificuldade para engravidar e infertilidade são sinais de alerta. Em cada dez mulheres com sintomas, seis têm dor e infertilidade, duas, apenas infertilidade e outras duas, apenas dor.

Ele alerta que, diante da suspeita do problema, a mulher deve procurar um ginecologista para o exame ginecológico clínico, primeiro passo no diagnóstico. “O médico pode solicitar exames laboratoriais e de imagem para visualização das lesões, como ultrassom transvaginal com preparo intestinal, ressonância magnética da pelve e um exame de sangue chamado CA-125, que se altera nos casos mais avançados da doença. O diagnóstico de certeza depende do estudo anatomopatológico das lesões”, informa.

O mercado tem medicamentos para o controle parcial e existem cirurgias para remover os tecidos doentes. “Como é uma doença crônica, não tem tratamento definitivo. Sempre pode voltar. A medicina está evoluindo e, hoje, é possível controlar os sintomas dolorosos e engravidar com ajuda dos laboratórios de reprodução humana”, afirma.

A endometriose demora mais de dez anos para se instalar como avançada ou profunda. O especialista deve ser acionado antes dos sintomas se complicarem, inclusive por mulheres que se sentem incapacitadas para atividades normais pela dor durante o período menstrual.

artigos relacionados

Busca por saúde ginecológica começa na adolescência

Busca por saúde ginecológica começa na adolescência

A busca por saúde e qualidade de vida feminina pode começar já na adolescência e início da puberdade, momento ideal para as primeiras consultas ...
Importância das atividades físicas para tratamento do ovário policístico

Importância das atividades físicas para tratamento do ovário policístico

Os exercícios físicos são as principais indicações dos médicos para o tratamento de ovário policístico. Tal problema ocorre quando existe uma ...
PRÉ-NATAL SEGURO

PRÉ-NATAL SEGURO

Ao se descobrirem grávidas, uma das primeiras preocupações é o pré-natal. Nesse momento, surgem muitas dúvidas, como quando iniciar, com que ...

fale conosco

Entre em contato com a SOGIMIG pelos canais abaixo:

  • Telefone: (31) 3222.6599
  • sogimig@sogimig.org.br
  • Endereço: Av. João Pinheiro, 161, Sala T09, Centro, BH/MG CEP: 30130-180
Ferramentas Médicas

Ferramenta médica

Encontre aqui CID 10, Termos de Consentimento, Tabelas e Fichas.

CLIQUE AQUI

Somente para associados